20 / 06 / 2024

O Nordeste Está Aqui!

InícioCotidianoO que você não pode deixar de comer quando for ao Nordeste?

O que você não pode deixar de comer quando for ao Nordeste?

O Nordeste é famoso por suas comidas típicas, que misturam influências indígenas, africanas, portuguesas e até árabes. Algumas das características mais marcantes da culinária nordestina são o uso de ingredientes locais, como o milho, a mandioca, o coco, o caju e o dendê, o tempero forte e picante, com pimentas, coentro e gengibre, e a variedade de carnes, peixes e frutos do mar.

Mas o que você não pode deixar de comer quando for ao Nordeste? Veja a seguir uma lista com 10 comidas nordestinas que você tem que provar:

- Continua depois da publicidade -
  • Tapioca

    A tapioca é um dos alimentos mais consumidos no Nordeste, principalmente no café da manhã. Ela é feita com a goma da mandioca, que é hidratada e aquecida em uma frigideira, formando uma massa fina e macia. A tapioca pode ser recheada com diversos ingredientes, como queijo, coco, carne seca, banana, chocolate e até sorvete. A tapioca é uma comida leve, sem glúten e sem gordura.

  • Acarajé

    O acarajé gigante serve toda a família e chega a pesar 3kg.

    O acarajé é um dos símbolos da Bahia e da cultura afro-brasileira. Ele é um bolinho frito no azeite de dendê, feito com massa de feijão fradinho, sal, alho, cebola e gengibre. O acarajé pode ser recheado com vatapá, caruru, camarão, salada e pimenta. Ele é vendido nas ruas pelas baianas, que usam roupas brancas e turbantes. O acarajé é uma comida quente, crocante e apimentada.

LEIA TAMBÉM:
Maior cidade do Nordeste fará investimento milionário em 690 ruas
VÍDEO: Por que o NORDESTE é a MECA do HIDROGENIO VERDE no mundo?
Réveillon no Nordeste! Como serão as principais festas de ano novo da região

  • Moqueca

    A moqueca é um dos pratos mais tradicionais do litoral nordestino, especialmente da Bahia e do Ceará. Ela é um cozido de peixe ou frutos do mar, como camarão, lagosta e polvo, temperado com alho, cebola, tomate, pimentão, coentro, pimenta e leite de coco. A moqueca é servida em uma panela de barro, acompanhada de arroz, farofa e pirão. A moqueca é uma comida saborosa, cremosa e aromática.

  • Rubacão

    O baião de dois é um prato típico do sertão nordestino, que leva arroz, feijão, carne seca, queijo coalho, manteiga de garrafa, coentro e cebolinha. O nome vem da dança baião, que é um ritmo nordestino, e também da expressão “fazer um baião de dois”, que significa se unir, se misturar. O baião de dois é uma comida simples, nutritiva e reconfortante.

  • Buchada de bode

    A buchada de bode é um prato originário do Piauí, mas que se espalhou por todo o Nordeste. Ela é feita com as vísceras do bode, como o estômago, o fígado, o rim e o coração, que são lavadas, temperadas e cozidas dentro do próprio estômago do animal, formando uma bolsa. A buchada de bode é servida com arroz, farofa, vinagrete e pimenta. Ela é uma comida forte, exótica e saborosa.

  • Vatapá

    O vatapá é outro prato de origem africana, que é muito consumido na Bahia e em outros estados do Nordeste. Ele é um creme feito com pão ou farinha de rosca, leite de coco, azeite de dendê, amendoim, castanha de caju, gengibre e camarão seco. O vatapá pode ser comido como recheio do acarajé ou como acompanhamento de arroz e peixe frito. Ele é uma comida cremosa, picante e nutritiva.

 

LEIA TAMBÉM:
Maior cidade do Nordeste fará investimento milionário em 690 ruas
VÍDEO: Por que o NORDESTE é a MECA do HIDROGENIO VERDE no mundo?
Réveillon no Nordeste! Como serão as principais festas de ano novo da região

  • Caruru

    O caruru é um prato feito com quiabo, cebola, alho, gengibre, camarão seco, azeite de dendê e coentro. Ele é muito consumido na Bahia, principalmente em datas religiosas, como o dia de Cosme e Damião e a Semana Santa. O caruru pode ser servido com acarajé, vatapá, xinxim de galinha, arroz e farofa. Ele é uma comida verde, viscosa e deliciosa.

  • Cuscuz

    O cuscuz é uma comida de origem árabe, mas que foi adaptada ao Nordeste brasileiro. Ele é feito com farinha de milho ou de mandioca, que é cozida no vapor em uma cuscuzeira, formando uma massa compacta e úmida. O cuscuz pode ser comido em qualquer hora do dia, com manteiga, leite, queijo, ovos, carne, frango ou peixe. Ele é uma comida versátil, barata e saudável.

  • Bolo de rolo

    O bolo de rolo é uma sobremesa típica de Pernambuco, que foi inspirada no bolo português colchão de noiva. Ele é feito com uma massa fina e macia, recheada com goiabada derretida, enrolada em camadas. O bolo de rolo pode ser comido no café da manhã, no lanche da tarde ou como sobremesa. Ele é uma comida doce, delicada e irresistível.

.LEIA TAMBÉM:
A disputa centenária que pode mudar o mapa do Nordeste
Amazon anuncia parque eólico no Nordeste; saiba onde
OLHA O FERIADO! Saiba quais e quantos dias você terá em 2024
Capital do Nordeste pode mudar de nome em breve
Nordeste lidera novas rotas com 62 voos só na alta temporada

  • Rapadura


 

A rapadura é um doce feito com o caldo da cana-de-açúcar, que é cozido, batido e moldado em formas retangulares ou cilíndricas. A rapadura é muito consumida no Nordeste, principalmente pelos trabalhadores rurais, por ser uma fonte de energia e de ferro. A rapadura pode ser comida pura, com queijo, com amendoim ou com coco. Ela é uma comida dura, escura e saborosa.

Essas são apenas algumas das comidas nordestinas que você tem que provar na sua viagem ao Nordeste. Mas há muitas outras delícias que você pode descobrir nessa região tão rica e diversa do Brasil. Agora é só escolher o seu destino preferido e se deliciar com a culinária nordestina!

Siga-nos no Instagram @portalne9!
Participe do nosso grupo no Telegram!
Participe do nosso grupo no WhatsApp!

RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

- PUBLICIDADE -

Concursos e Empregos

Projeto vai preservar manuscritos de José Américo de Almeida

Documentos manuscritos do renomado escritor e ex-ministro José Américo de Almeida estão sendo digitalizados por uma equipe de pesquisadores da Fundação Casa de José...