19 / 06 / 2024

O Nordeste Está Aqui!

InícioEconomiaBrasil entra na Rota do Aço Sustentável com Hidrogênio Verde

Brasil entra na Rota do Aço Sustentável com Hidrogênio Verde

De acordo com uma pesquisa da BloombergNEF, a produção de aço usando hidrogênio verde pode ser a alternativa mais econômica para atingir a meta de zero emissões até 2050.

  • O estudo indica que o Brasil está entre os candidatos para sediar usinas siderúrgicas interessadas em fabricar aço com baixas emissões a um custo competitivo.
  • O país, que possui reservas significativas de minério de ferro, se beneficia também de fontes de energia limpa e acessível, como a hidrelétrica, o que poderia resultar em uma redução nos custos de produção do aço à base de hidrogênio verde.

O documento foi encomendado por uma Coalizão que reúne interessados na indústria do hidrogênio, incluindo executivos da Fortescue – mineradora australiana que possui um mega projeto em desenvolvimento para produção hidrogênio verde no Ceará – e da Mubadala – fundo de investimento que controla a Acelen, dona da Refinaria de Mataripe, na Bahia.

- Continua depois da publicidade -

Hidrogênio na Siderurgia

Recentemente, em entrevista a Veja, Ludmila Nascimento, diretora de energia e descarbonização da mineradora Vale destacou que “o hidrogênio verde tem um papel crítico para a descarbonização de setores de difícil abatimento. Ou seja, aqueles em que a transição para uma produção de baixo carbono é considerada mais desafiadora”

A  empresa busca meios de superar os desafios estruturais na produção de aço com baixa emissão de carbono.

A Vale está explorando diversas abordagens, sendo uma delas a construção dos denominados “megahubs”. Nestes complexos industriais, o hot briquetted iron (HBI), um componente crucial na produção de aço com baixo teor de carbono, seria fabricado. De acordo com Nascimento, utilizar hidrogênio verde possibilita alcançar emissões zero na fabricação de aço. Ele ressalta que a Vale ocupa uma posição singular, sendo uma grande consumidora de energia renovável e fornecedora de minério de ferro de alta qualidade. Esses elementos são fundamentais para viabilizar tanto a economia do hidrogênio verde quanto a produção de produtos siderúrgicos com baixas emissões de carbono.

LEIA TAMBÉM:
‘Duelo’ de qual é o melhor Carnaval do Mundo sacode a web
Paraíso no Nordeste pode ganhar aeroporto
Cidades do Nordeste registram as maiores temperaturas do país
Estado do Nordeste tem turista estrangeiro gastando R$ 17 mil por semana no verão

Mudança de Fonte de Energia na Produção de Aço

O segmento siderúrgico, responsável por 7% das emissões globais de carbono, destaca-se como o principal consumidor industrial de carvão. Em 2022, o carvão representou 74% da demanda total de energia na indústria, seguido por eletricidade (14%) e gás natural (9%).

De acordo com a BNEF, a adoção de hidrogênio na produção de aço tem o potencial de descarbonizar mais de 40% da produção global até 2050. Esse cenário demandaria a produção anual de pelo menos 150 milhões de toneladas de hidrogênio, consolidando a siderurgia como um dos principais consumidores dessa forma de hidrogênio com baixo teor de carbono.

A BNEF estima que o custo de produção do aço com base em hidrogênio em 2050, considerando um custo de entrega de hidrogênio de US$1 por quilograma, seria de US$489 por tonelada. Atualmente, o preço do quilograma de hidrogênio verde varia entre US$4 e US$12.

Uma pesquisa anterior da consultoria já havia identificado o Brasil como um dos países capazes de produzir o hidrogênio verde de maneira mais econômica em escala global.

LEIA TAMBÉM:
Chuvas podem ultrapassar a média histórica no Nordeste
Nordeste se prepara para iniciar vacinação contra a dengue
Quais os cinco maiores influenciadores digitais do Nordeste?
Nordeste é o destino mais desejado pelos brasileiros em 2024

Siderurgia no Nordeste

O setor siderúrgico no Nordeste do Brasil mostrava uma presença significativa, impulsionada pela abundância de recursos minerais na região, como minério de ferro. Grandes empresas siderúrgicas tinham operações na área, aproveitando a matéria-prima local e a infraestrutura de transporte para o escoamento de produtos.

O Nordeste também se destacava como um possível destino para investimentos em siderurgia com menor emissão de carbono. Desse modo, explorando fontes de energia limpa disponíveis na região, como a hidrelétrica.

Contudo, o nível de produção do setor siderúrgico no Nordeste é pequeno. Dessa forma,  esses dados podem ajudar no desenvolvimento de politicas públicas. Além disso, trazer investimentos para a região que mais produz hidrogênio verde no Brasil.

 

REDAÇÃO com EPBR

Siga-nos no Instagram @portalne9!
Participe do nosso grupo no Telegram!
Participe do nosso grupo no WhatsApp!

RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

- PUBLICIDADE -

Concursos e Empregos

Projeto vai preservar manuscritos de José Américo de Almeida

Documentos manuscritos do renomado escritor e ex-ministro José Américo de Almeida estão sendo digitalizados por uma equipe de pesquisadores da Fundação Casa de José...