10 / 06 / 2024

O Nordeste Está Aqui!

InícioEconomiaVale do São Francisco exporta quase metade da Manga brasileira; entenda

Vale do São Francisco exporta quase metade da Manga brasileira; entenda

Em 2023, as exportações de manga brasileira atingiram patamares históricos, gerando um faturamento que rondou os US$ 315 milhões, ultrapassando significativamente os US$ 249 milhões registrados em 2021, até então o ano mais lucrativo.

Houve um aumento de aproximadamente 15% nos volumes exportados em comparação com o ano anterior, totalizando cerca de 266 mil toneladas.

Aproximadamente 93% da manga exportada pelo Brasil teve origem no Vale do São Francisco, situado na região Nordeste, com destaque para os estados da Bahia e Pernambuco, responsáveis por 47,36% e 45,42% das exportações, respectivamente. Os demais 7% provieram dos estados de São Paulo (3,25%), Rio Grande do Norte (2,54%) e Ceará (0,79%).

- Continua depois da publicidade -

Essas informações foram divulgadas pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços e posteriormente analisadas pelo Observatório do Mercado da Manga da Embrapa.

Foto  Divulgação Embrapa
Foto Divulgação Embrapa

Esses resultados positivos foram alcançados mesmo com uma leve redução na produção nacional de manga em 2023, estimada em cerca de 1,2 milhão de toneladas, um pouco abaixo das 1,5 milhão de toneladas produzidas em 2022.

Nordeste Virando Referência

De acordo com Francisco Pinheiro Neto, agrônomo e pesquisador da Embrapa Semiárido, a competitividade da mangicultura no Semiárido é atribuída à combinação de vários elementos:

1 – incluindo as características climáticas da região

2 – disponibilidade de água

3 – infraestrutura para irrigação

4 – aplicação de tecnologias adequadas

Ele enfatiza que as altas temperaturas médias, aliadas aos baixos índices de chuva registrados no Semiárido – concentrados em determinadas épocas do ano – favorecem o rápido crescimento das plantas e reduzem a incidência de problemas fitossanitários.

Além disso, a adoção intensiva de tecnologias contribui para uma produtividade elevada, incorporando estratégias como o manejo eficiente da água, poda em diferentes estágios fenológicos da cultura, o processo de indução floral que permite planejar a produção durante todo o ano, a nutrição mineral para fornecer os nutrientes necessários ao desenvolvimento das plantas e à produção de frutos, e o controle das principais doenças da região.

Ele destaca que “o investimento em tecnologia inclui a modernização e a constante atualização dos sistemas de produção, alinhados aos princípios de sustentabilidade e em conformidade com os rigorosos protocolos de certificação de vários países”.

Siga-nos no Instagram @portalne9!
Participe do nosso grupo no Telegram!
Participe do nosso grupo no WhatsApp!

RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

- PUBLICIDADE -

Concursos e Empregos

Inmet renova alerta de chuvas intensas no Litoral do Nordeste

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) renovou o alerta amarelo de perigo potencial devido ao acumulado de chuvas em quase todo o litoral do...